Mark Manson e A sutil arte de ligar o foda-se

0
461
a sutil arte de ligar o f*da-se - Mark Manson
a sutil arte de ligar o f*da-se - Mark Manson

Quem me conhece sabe que não sou muito fã de autoajuda, mas já vou explicar porque esse é diferente. Mark Manson na sutil arte de ligar o foda-se mostra que ser positivo o tempo todo é utópico e que ver o lado negativo das coisas também é saudável. Para melhorar nossas vidas precisamos entender que nós temos falhas como qualquer ser humano.

Livros de autoajuda geralmente nos dão fórmulas para sermos felizes e receitas para estarmos sempre motivados. Manson corre na contra mão de 99% dos autores convencionais.

O livro é dividido em 9 capítulos.  O autor fala um pouco de suas experiências positivas e negativas. Manson não da dica de como atingir o sucesso, mas mostra como reagiu diante suas falhas.

No primeiro capítulo o autor cita Bukowski, um homem que durante parte de sua vida foi considerado um fracasso, mas que alcançou o sucesso profissional. Embora Charles Bukowski seja reconhecido como escritor nada mudou na questão pessoal, ele ainda era um perdedor.

Diante do exemplo de Bukowski, Mark Manson quebra o primeiro clichê de autoajuda: Pensar positivo. Convencionalmente, os livros deste gênero nos ensinam a ignorar certas coisas – ter um bom emprego, ter o corpo perfeito, bens materiais valiosos. Por outro lado vemos na internet pessoas bem sucedidas, modelos com corpos desenhados, etc. Então começamos  a acreditar que nos sentirmos insatisfeitos é inaceitável e então vem uma série de pensamentos negativos. Pensar positivo sempre, nem sempre é positivo.

Mark se explica sobre o título do livro. Ligar o botão do foda-se não significa estar indiferente à tudo e sim ser mais seleto com o que se importar. Ligar o foda-se é deixar de fantasiar sobre a vida, é caminhar com os pés no chão. É aceitar a realidade e se colocar no controle.

Mark Manson
Mark Manson

Durante todo o livro o autor abusa de exemplos. O capítulo 2 trata da história do pai de um príncipe que decide livra-lo do sofrimento humano.O rei mandou que construíssem muros altos ao redor do palácio, para que o príncipe jamais conhecesse o mundo lá fora”. Apesar do luxo, o príncipe cresce estressado e vazio.

Certo dia, o príncipe resolveu olhar além dos muros que o cercavam e o que viu não lhe agradou. Então passou a acreditar que iria alcançar a felicidade se vivesse longe dos prazeres mundanos. Isso não funcionou!

O príncipe era nada mais, nada menos que Buda. Aquele que diz que a dor e a perda são uma parte inerente da existência humana e não devem ser evitadas. A dor precisa ser sentida e não mascarada.

Escolha a felicidade diariamente

Ao invés de dizer “vou ser feliz quando conseguir x coisa” diga, “eu vou ser feliz AGORA  exatamente com o que eu tenho”. Você é o responsável pela sua vida, então não sonhe ser feliz, seja feliz.

Use de valores positivos para tomadas de decisão, porque assim você estará no controle. Sabe como você pode potencializar isso? faça uma lista com todos valores que você considera ter. Em seguida seja franco e avalie quais são bons e quais são ruins. Daí em diante veja formas de substituir ou mudar aqueles que não são legais.

Na próxima dificuldade, se mexa, não se vitimize.

A leitura foi fácil, rápida e muito rica. Como eu disse no começo do post, tenho receio sobre livros de autoajuda, mas esse é o mais realista e sincero que  li.

Título: A sutil arte de ligar o foda-se

Autora: Mark Manson

Ano: 2017

Editora: Intrínseca

Nota: